Amino-acid-beauty-therapy-facials.jpg

BCAA: é preciso suplementar?

Os Aminoácidos de Cadeia Ramificada, ou em inglês Branched Chain Amino Acids (BCAA), são formados por três aminoácidos essenciais: leucina, isoleucina e valina. No rótulo e propagandas dos suplementos destes nutrientes são informados efeitos na  recuperação e desenvolvimento muscular, bem como na redução do catabolismo.

As evidências científicas apontam para um potencial efeito positivo na síntese proteica relacionado ao consumo dos BCAA. Tal efeito está mais relacionado com a ação da leucina, motivo pelo qual tem sido pesquisada a sua suplementação isolada, mas ainda sem comprovação de que a estratégia é realmente benéfica.

O detalhe é que os estudos indicam que os BCAA agem sobre a síntese proteica, porém sua suplementação não tem sido relacionada com melhora na performance ou na composição corporal de indivíduos treinados. O consumo de alimentos ricos nesses aminoácidos, tais como os laticínios, parece ser suficiente para manter a adequada recuperação e desenvolvimento muscular.

As proteínas do soro do leite isoladas (Whey Protein Isolada), suplemento alimentar bastante popular entre atletas e praticantes de exercício físico, são ricas nos BCAA. É possível se obter cerca de 5 gramas dos aminoácidos em cada dose, ou seja, a cada dose que o indivíduo toma é como se tivesse ingerido cerca de 10 comprimidos de 500 mg de BCAA.

É preciso lembrar também que o nutriente com maior efeito anticatabólico é o carboidrato, portanto se o objetivo é reduzir o catabolismo seria uma estratégia mais eficaz o consumo de alimentos fonte de carboidrato.

Por vezes as pessoas utilizam determinada suplementação apenas por um modismo, precisamos racionalizar o uso destas substâncias, verificando se os efeitos são comprovados em estudos científicos bem controlados e se o consumo não trará riscos para a saúde.

Nutrição esportiva baseada em Ciência
Post by: Allys Vilela
 

Referências

BALAGE, M.; DARDEVET, D. Long-term effects of leucine supplementation on body composition. Current Opinion in Clinical Nutrition and Metabolic Care, London, v. 13, n. 3, p. 265-270, 2010.

CROWE M. J.; WEATHERSON J. N.; BOWDEN B. F. Effects of dietary leucine supplementation on exercise performance. European Journal of Applied Physiology, Berlin, v. 97, n. 6, p. 664– 672, 2006.

DONATO JR, J., PEDROSA, R. G.; ARAÚJO JR, J. A.; PIRES, I. S.; TIRAPEGUI, J. Effects of leucine and phenylalanine supplementation during intermittent periods of food restriction and refeeding in adult rats. Life Sciences. Oxford, v. 81, n. 1, p. 31-9, 2007.

NELSON, A. R.; PHILLIPS, S. M.; STELLINGWERFF, T.; REZZI, S.; BRUCE, S. J.; BRETON, I.; THORIMBERT, A.; GUY, P. A.; CLARKE, J.; BROADBENT, S.; STEPHEN ROWLANDS, D. A protein-leucine supplement increases branched-chain amino acid and nitrogen turnover but not performance. Medicine and Science in Sports and Exercise, Madison, v. 44, n. 1, p. 57-68, 2012.

NICASTRO, H.; ARTIOLI, G. G.; COSTA, A. S.; SOLIS, M. Y.; LUZ, C. R.; BLACHIER, F.; LANCHA JR, A. H. An overview of the therapeutic effects of leucine supplementation on skeletal muscle under atrophic conditions. Amino Acids, Wien, v. 40, n. 2, p. 287-300, 2011.

Tags: No tags

Leave a Comment